Processo participativo é destaque do estudo

Um dos maiores diferenciais do PIRH Paranapanema é o processo participativo, iniciado desde as preliminares do estudo e que irá prosseguir durante sua implantação. Ao longo de mais de três anos de trabalho para sua concretização, foram realizadas diversas ações visando envolver os mais diferentes segmentos da sociedade em torno do plano.

Entre as atividades realizadas nesse sentido estão os encontros ampliados. Dois desses eventos ocorreram neste ano. O primeiro em Londrina (PR), em fevereiro, e outro em Presidente Prudente (SP), em julho. Nos encontros, os interessados, entre eles, membros do CBH-PANAPANEMA e dos comitês afluentes, poder público, ONGs, meio acadêmico e a sociedade civil, puderam se informar e opinar sobre o desenvolvimento do PIRH. De acordo com os organizadores, os encontros foram também uma oportunidade de mostrar o papel integrador do comitê interestadual nas políticas públicas voltadas à gestão das bacias afluentes.

Outra ação de mobilização foram as oficinas do PIRH Paranapanema. Somente neste ano, no mês de abril, foram realizadas seis delas, em cada uma das cidades pertencentes aos comitês afluentes da bacia − três paulistas (Presidente Prudente, Marília e Piraju) e três paranaenses (Londrina, Maringá e Jacarezinho). Para cada oficina foram oferecidas até 60 vagas, voltadas a membros dos comitês de bacias afluentes, representantes de usuários e de entidades civis de recursos hídricos e demais interessados. Todos puderam se informar sobre o andamento das etapas do PIRH e entender como estavam sendo delineadas as prioridades do Plano de Ações.

Um evento de repercussão no âmbito do PIRH Paranapanema foi o 1º. Encontro de Prefeitos da Bacia Hidrográfica do Rio Paranapanema, realizado em Londrina, em março deste ano. Mais de 50 prefeitos do Paraná e de São Paulo estiveram presentes ao evento, que teve como um dos objetivos centrais mobilizar e promover a articulação permanente dos prefeitos que integram a Bacia Hidrográfica do Paranapanema, visando destacar o papel estratégico dos municípios na definição de metas e ações prioritárias do PIRH Paranapanema. “A nossa perspectiva com relação ao envolvimento dos municípios é de fortalecimento da articulação política, para que possamos buscar recursos para implantação do plano, de forma que as soluções possam ser realmente efetivadas”, afirma Everton Luiz da Costa Souza, presidente do CBH-PARANAPANEMA.

As universidades também tiveram oportunidade de aproximação com o PIRH Paranapanema. O Seminário das Instituições de Ensino Superior da Bacia do Rio Paranapanema, realizado em abril deste ano em Presidente Prudente (SP), além de colocar em discussão o plano para a comunidade acadêmica, propôs que futuramente seja criada a Rede UniParanapanema, a ser composta pelas instituições de ensino superior que atuam na Bacia do Rio Paranapanema. A parceria com as entidades acadêmicas já vem sendo praticada pelo CBH-PARANAPANEMA desde o início do processo de mobilização para sua instalação, mas a ideia da rede é ampliar isso, promovendo a interlocução sobre a gestão das águas e as possibilidades de atuação qualificada na Bacia do Paranapanema.